PROCURANDO POR ALGO?

quarta-feira, 22 de junho de 2016

O novo acordo ortográfico

Postado por: Redação
Olá, estudantes!
novo acordo ortográfico vigorado desde 2009, já está desde janeiro deste ano (2016) sendo obrigatório. O objetivo é unir a nossa escrita com as demais nações de língua portuguesa como Portugal, Angola, Moçambique, Cabo Verde, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.
A intenção de unificar a língua ortográfica entre os países é antiga, desde 1931 foi feito o primeiro acordo ortográfico luso-brasileiro, mas não foi efetivado na prática.
Entenda as mudanças:
1) Trema – deixou de existir em todas as palavras da língua portuguesa. Não se preocupe mais em colocar dois pontos em cima do “u” para escrever.
            Exemplos: Linguiça, pinguim
2) Hiato – deixaram de existir os acentos circunflexos nos hiatos – sequência de vogais que pertencem a sílabas diferentes.
            Exemplos: Enjoo, perdoo, abençoo, creem, releem, preveem.
3) Acentos no ditongo – deixaram de existir. O encontro de duas vogais que são pronunciadas em uma só sílaba e que possuem acentuação na penúltima sílaba, como por exemplo ideia – o “ei” é um ditongo.
            Exemplos: europeia, paranoia, centopeia, onomatopeia, assembleia.
4) Os acentos diferenciais – usados para distinguir duas palavras iguais, mas com significados diferentes.
            Exemplos: “Pára”, do verbo parar (era usado para diferenciar da preposição para), pêlo, pólo e pêra deixam de existir também.

ATENÇÃO: 
A nova regra NÃO SE APLICA para o verbo poder, no passado, “pôde”; e do verbo “pôr”, para diferenciar da preposição “por”.
5) “U” e “i” tônicos – a letra U deixa de ser acentuada nas sílabas – “que”, “qui”, “gue” e “gui”.
            Exemplos: apaziguar, averiguar, obliquar.

ATENÇÃO: 
Também perdem os acentos as palavras paroxítonas que têm a letra I ouU tônicos, precedidos por ditongos.
            Exemplo: Feiura.
Alfabeto – ganha mais três letras, passando de 23 para 26 no total. Foram incluídos o K, o W e o Y
6) Hífen – Usado em palavras compostas por justaposição que constituem uma unidade sintagmática e semântica
             Exemplos: Ano-luz, tio-avô, médico-cirurgião, segunda-feira, guarda-chuva, sul-africano.
ATENÇÃO: As palavras compostas por justaposição que tenham perdido a noção de composição, não são mais grafadas com hífen.
Exemplos: Girassol, paraquedas, mandachuva, passatempo.

Casos de hífen

menino-sorridente
1) Em nomes próprios de lugares, que começam com o adjetivo grão/grã, ou que começam com um verbo, ou ainda quando existir artigos entre os elementos
Exemplos: Grã-Bretanha, Grã-Pará, Baía de Todos-os-Santos, Trás-os- Montes.
ATENÇÃO: Os demais topônimos não devem ter hífen, com exceção do nome do país Guiné-Bissau.
2) Em palavras que distinguem espécies botânicas e zoológicas
Exemplos: Erva-doce, couve-flor, bem-te-vi, mico-leão-dourado.
3) Em palavras compostas iniciadas pelo advérbio “bem” ou “mal”, em que a segunda palavra seja iniciada por qualquer vogal ou a letra “h”
Exemplos: Bem-humorado, bem-amado, mal-afortunado, mal-estar.
ATENÇÃO: Algumas palavras que se iniciam com o advérbio “bem”, quando se mantém a noção de composição e não se aglutina com o segundo elemento, o hífen é mantido.
Exemplos: Bem-criado, bem-nascido, bem-visto.
As palavras compostas que perderam o hífen acabam virando uma única palavra: benfeito,  benfeitor.
4) Em palavras compostas iniciadas pelos elementos: além, aquém, recém e sem
Exemplos: Além-mar, recém-casado, sem-vergonha.
5) Em qualquer tipo de locução o hífen deixou de ser empregado
Exemplos: Cão de guarda, cor de vinho, dia a dia, fim de semana.
O hífen ainda deve ser utilizado em vocábulos formados por prefixação, recomposição e sufixação, nas seguintes condições:
Exemplos: Anti-inflamatório, arqui-inimigo, contra-ataque, mini-instrumento, inter-racial, pan-nacionalismo, pós-graduação, pré-operatório, tele-homenagem, ultra-apressado, super-racional, vice-presidente, semi-intensivo, ex-namorado, circum-hospitalar, co-herdeiro, auto-observação.
6) Se o segundo elemento começa com a letra “h”
Exemplos: Anti-higiênico, pré-história, semi-hospitalar, super-homem, extra-humano.
ATENÇÃO: Em alguns casos, após o prefixo “des” e “in”, o hífen deixa deixa de ser usado se o segundo elemento da palavra perdeu a letra “h”.
Exemplos: Desumano, inapto, desumidificar.
7) Se o prefixo do primeiro elemento terminar com a mesma vogal que inicia o segundo
Exemplos: Arqui-inimigo, micro-ondas, semi-intensivo, auto-observação.
ATENÇÃO: Na palavra iniciada com o prefixo “co”, mesmo se o segundo elemento começar com a letra “o”, o hífen não é usado.
Exemplos: Cooperar, coordenar, coocupação.
8) Se o prefixo do primeiro elemento for “circum” e “pan” e a primeira letra do segundo elemento for uma vogal ou as letras “h”, “m”, “n”
Exemplos: Circum-hospitalar, circum-navegação, pan-americano, pan- mágico.
9) Se o prefixo do primeiro elemento for “hiper”, “inter” e “super” e o segundo elemento iniciar com a letra “r”
Exemplos: Hiper-resistente, super-revista.
10) Em todas as palavras cujo prefixo for “ex” (no sentido de anterior) e “vice”
Exemplos: Ex-aluno, ex-mulher, ex-presidente, vice-governador, vice-reitor.
11) Se o prefixo do primeiro elemento for “pós”, “pré” e “pró”
Exemplo: Pós-graduação, pró-reitoria, pré-escola.
ATENÇÃO: O hífen deixa de ser empregado caso os prefixos tenham perdido a sua tonicidade
Exemplos: Prever, promover, pospor.
12)O hífen não é usado em todas as palavras em que o prefixo terminar em vogal e o segundo elemento começar com “r” ou “s”. Nesses casos, deve-se duplicar as consoantes
Exemplos: Antissemita, contrarregra, minissaia, microssistema, extrarregular.
13) O hífen deixa de ser usado em todos os casos em que o prefixo terminar com vogal e o segundo elemento começar com uma vogal diferente
Exemplos: Antiácido, autoestrada, hidroelétrica.
14) O hífen utilizado nas palavras derivadas por sufixação em que o primeiro elemento terminar de forma tônica ou com acento gráfico e o segundo elemento for os sufixos “açu”, “guaçu”, “mirim”
Exemplos: Capim-açu, andá-açu, amoré-guaçu.
15) Nos casos de ênclise e mesóclise
Exemplos: Adorá-lo, pediu-lhe, contar-te-emos, dar-se-ia.
16) Após o advérbio “eis” seguido de formais pronominais
Exemplos: Eis-me, ei-lo.
Quer aprender mais sobre Português para o Enem? Estude no Exato Vestibulares.
Até logo!

Nenhum comentário:

ADICIONE AOS SEUS FAVORITOS

ADICIONE AOS SEUS FAVORITOS
Aviso Importante!! Reconhecimento: Alguns textos e imagens contidas aqui neste Site são retiradas da internet, se por acaso você se deparar com algo que seja de sua autoria e não tiver seus créditos, entre em contato para que eu possa imediatamente retirar ou dar os devidos créditos. E-mail: joseni_delima@hotmail.com FAVOR INFORMAR O LINK